segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Lançamento: Aori, “Anaga” (EP, 2015)



"Esse EP é uma celebração, uma dedicatória a cultura de rua e a amizade. O nome que assina o disco pode ser o meu, mas sem os amigos e a família ele não existiria. Considero esse trabalho uma obra composta a muitas mãos e corações . Foram os amigos, os colegas de trabalho, as famílias que me tiraram da zona de conforto e me desafiaram a voltar a escrever rimas regularmente. Nunca deixei de ser um MC na minha mente, mas foi preciso energia extra pra organizar essas histórias.
"Rewind: meu amigo Remier sempre me disse que um MC tem que ter vivência ­ e a vida me deu nesses últimos tempos muitas estórias pra contar. Histórias diferentes do afro futurismo cyber punk lapa dos Inumanos, por isso essa assinatura solo. O processo de criação ­ orgânico, sem pressa mas consistente, colaborativo, intimista, acabou refletindo nas rimas e batidas e na pós-produção dos meus manos Berna e Babz.
"O EP abre com 'Anaga'. Viajo nessa track como se ela fosse a trilha de abertura de um sitcom, aqueles minutos que introduzem o personagem e seu ambiente. Inumanos = Akira, ghost in the shell, Company flow . Anaga = boondocks, Childish Gambino, quadrinho underground... Esse refrão foi totalmente improvisado e a faixa título exemplifica bem a onda naturalista dos raps desse EP.
"O Marcão baixada disse após escutar a versão final do EP que tudo era meio crônica, e de certo modo, as faixas são pequenos contos mesmo, às vezes meio "about nothing", como 'Clima' que é um monte de divagações rimadas durante um dia muito quente de verão no rio. Quem é daqui ou já passou um dia desses entende e sente o que rola no seu cérebro quando o termômetro bate 40 graus, rs. Temos que andar sempre na batida, senão...
"Por falar em batidas, amizade e organicidade foi uma experiência muito legal fazer música com DJ martins a quilômetros de distância. O DJ foi meu primeiro colaborador nesse projeto, o que levou a mais uma parceria: ter o Maomé na "Levadas Esqueléticas", que acabou virando uma homenagem ao grande Speedy Freaks, executada via o scratches do meu irmão DJ Babz ­(peraí, mais uma colaboração?)
"Essa vibração atraiu uma joia ao nosso garimpo de batidas: DJ Nuts me perguntou sobre o que eu iria escrever, e me respondeu com "Disciplina", um hino b-boy sobre o qual eu tive a honra de equilibrar ritmo e poesia. Obrigado, DJ ! Muito funk! Na boa ter uma batida do Dj Nuts é uma honra. Acho que aí o projeto ganhou ainda mais força.
"Tudo foi se costurando, se tramando silenciosamente e o que eram apenas algumas horas de gravação oferecidas pelo nosso generoso amigo Bernardo Pauleira se tornaram um o trabalho em corrente de um time inter / estadual / nacional entre Rio, SP , Porto Alegre e Chicago, cidade do amigo Ibrahem que trouxe o beat do "Posse Cut"
"Em "Salve o Som", onde recebo 2 dos meus MCs favoritos para uma jam, Marcão Baixada e Nacho Garcia, o MC Bacon. Nossa amiga BB Milla empresta sua doce voz ao refrão, que criamos a 8 mãos inspirados em a Tribe Called Quest. Meu verso nessa música fecha o álbum de certa maneira, e acho que resume a vibe do projeto: eu falo um pouco da paixão pela música através da busca dos vinis e como a gente faz música em gratidão a tudo que o hip hop nos dá.
"O último ato da produção desse EP foi a criação da capa com o brother Hayala, artista e curador do blog Moro na Rua. O Hayala tem um olhar super fino e rapidinho sacou do que a gente tava falando: um lance de identidade bem própria e que fosse universalmente fresh! Um glitch no hip hop. Obrigado Man, ficou foda.
"Espero que esse texto aguce a curiosidade de quem ainda não escutou e sacie algumas questões de quem já começou a ouvir. Ainda tem muita história pra contar, vamos nos falando via anagamusic.tumblr.com"